• Tajá

Projeto social muda a vida de crianças e adolescentes em bairro de Macapá

Atualizado: 23 de Mai de 2019

A Fundação Casa de Bamba é um dos agentes de transformação de vida de jovens moradores do bairro Brasil Novo.


Por Edenilson Mendes


Em um pequeno espaço, localizado no bairro Brasil Novo, zona Norte de Macapá, funciona a Fundação Casa de Bamba. O projeto atende cerca de 30 jovens que se dividem em aulas gratuitas de Kung Fu, Karatê, Capoeira e Muay Thai.

Fundação Casa de Bamba

Genivon Hélio, professor de Karatê e um dos idealizadores do projeto, explica como surgiu a ideia da criação da Casa de Bamba. “Eu já tinha um projeto social no qual dava aula de karatê, mas era em outro local. Porém surgiu o convite do mestre Kleber, que também tinha um projeto de capoeira, nos juntamos, e assim nasceu a Casa de Bamba”, conta o professor.


Um dos objetivos do projeto é tirar os jovens das ruas e inseri-los em uma modalidade esportiva, no caso a luta, fazendo com que não caiam no mundo da violência. Genivon fala sobre o sentimento de estar ajudando a mudar a vida dos alunos que participam da Casa de Bamba.


“A gente tenta passar para esses jovens é integridade e caráter, eu acho que isso é o complemento da vida. E também ter dedicação aos estudos" , conta o professor.

"Aqui nós não cobramos mensalidade, o que eu cobro dos meus alunos é o estudo. Não faço parte do projeto por dinheiro, e sim para ajudar eles”

Um dos primeiros alunos a participar da Fundação Casa de Bamba, Gleyson Silva, de 16 anos, comenta o que o projeto ajudou a mudar na sua vida. “Mudou várias coisas. Mudou meu jeito de me comportar na escola, antes eu era atentado e bagunceiro (risos). Agora sou estudioso e antigamente eu era expulso da sala, até mesmo de algumas escolas já fui expulso. Mas depois de entrar no Karatê, tudo isso mudou”, releva o adolescente.

Alunos da Casa de Bamba

Aluno de karatê, Rique Marrone, de 16 anos, revela como conheceu a Fundação Casa de Bamba: “um colega meu me convidou para treinar aqui, eu já tinha vontade de participar de alguma modalidade de luta, mas não tinha condições financeiras para pagar uma academia. Cheguei aqui no projeto e gostei bastante”.


Rique conta que o projeto faz com que ele sonhe alto, pensando até em se profissionalizar e representar o Amapá no cenário nacional da modalidade. “Eu tenho vontade de me tornar um faixa preta, disputar campeonatos representando o Amapá e mostrar que hoje em dia tem muitos atletas bons, só que não têm recursos financeiros, não têm um empresário para ajudar. Isso dificulta muito”, diz.


Dificuldade Financeira


Como a maioria dos projetos sociais, a Fundação Casa de Bamba não recebe ajuda financeira do governo e sobrevive de doações e do dinheiro empregado pelos próprios professores das modalidades de luta. Isso torna ainda mais desafiador da manutenção deste projeto.

“Falta aparelhos para auxiliar nas aulas, o espaço é pequeno. O projeto vive de doação. Falta tatame, luva, protetor, saco de boxe, kimono. Mesmo com toda essa dificuldade, nós tentamos passar toda a essência do esporte para esses jovens”, fala Genivon.


Para explicitar um pouco da dificuldade que vive o projeto, Genivon contou uma história curiosa que ocorreu recentemente em um dos eventos de graduação dos alunos de karatê. “Um exemplo foi no último evento que fizemos aqui. O pessoal onde eu trabalho, ajudou dando refrigerante, bolo, salgadinhos para as crianças porque algumas vêm com fome para cá e é complicado fazer uma atividade física de estômago vazio”, relata.


Genivon Hélio faz um apelo para quem quiser ajudar a Fundação Casa de Bamba com doações: “Ajudaria bastante, como já falei, precisamos de muitas coisas aqui. Quem tiver interesse é só procurar o mestre Kleber de capoeira, ele que fica mais à frente dessa parte. Qualquer ajuda é bem-vinda”.


Apesar de todas as dificuldades, Genivon fala que a Casa de Bamba está de portas abertas para receber novos alunos que tenham interesse de praticar uma arte marcial de maneira totalmente gratuita. “O projeto é aberto. Para quem quiser se inscrever é só vim, escolher uma das artes e participar, independente da arte que seja. Se não gostou do Karatê tem Muay Thai, se não gostou do Muay Thai, tem Capoeira, se não gostou de Capoeira, tem Kung fu”.


O projeto social Fundação Casa de Bamba funciona no bairro Brasil Novo, na Avenida Mamoeiro, n°1380. O telefone para contato é (96) 98123-7944. As aulas acontecem de tarde e também no período noturno. Kung Fu nas Terças e Sábados, às 17h. Karatê nas segundas e Quartas, às 18h. Capoeira nas Terças, Quintas e Sextas, a partir das 18:30. Muay Thai nas Segundas e Quartas, às 19:30.

120 visualizações