• Tajá

Hospital universitário contribui com os cursos de tecnologia da Universidade Federal do Amapá

Atualizado: 12 de Abr de 2019

O HU servirá como fomentador de diversas ações na área das tecnologias, propiciando um espaço de aprendizado e de realização do ensino, pesquisa e extensão


Por Letícia da Paz


A obra do Hospital Universitário (HU), com duração para 36 meses, foi iniciada no mês de janeiro do ano de 2017, e está orçada em torno de 200 milhões de reais alocados pela bancada federal do Estado do Amapá, através de emendas impositivas, e o mesmo montante está previsto para investir em equipamentos, segundo dados do Ministério da Saúde.

Construção do Hospital Universitário

Este empreendimento será de média e alta complexidades com 40 (quarenta) mil metros quadrados dentro da Universidade Federal do Amapá (UNIFAP) do campus Marco Zero do Equador, no bairro Universidade, Zona Sul de Macapá (AP). Ele terá a capacidade para 300 leitos, e destes, 60 serão para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e 240 para casos de internação.

Entrada da obra do hospital

O hospital vai possuir serviços de triagem especializada, atendimento de urgência e emergência; ele disponibilizará também Unidade de Apoio Diagnóstico e Terapia que oferecerá serviços de diagnóstico por imagem (radiologia, hemodinâmica, tomografia, ultrassonografia, ressonância magnética, endoscopia e exames oftalmológicos), Métodos Gráficos (eletrocardiograma, eletroencefalograma, urodinâmica, entre outros), Patologia Clínica e Anatomia Patológica; centro cirúrgico com dez salas de cirurgia; unidade de apoio técnico com nutrição, farmácia e central de material esterilizado; unidade de ensino e pesquisa; unidade de apoio logístico; centro obstétrico; atendimento em fisioterapia e reabilitação.


Além da finalidade de atender e proporcionar assistência à saúde para a população local, o hospital será um espaço de aprendizado e de realização do ensino, pesquisa e extensão para várias graduações e pós-graduação da UNIFAP, inclusive para os cursos de tecnologia.

Lateral direita do hospital

Segundo o professor do curso de engenharia elétrica Alaan Ubaiara, uma das áreas que podem ser pesquisadas dentro do HU é a tecnologia assistiva, que engloba produtos, recursos, metodologias, estratégias, práticas e serviços que objetivam promover a funcionalidade, relacionada à atividade e participação de pessoas com deficiência, incapacidades ou mobilidade reduzida, visando sua autonomia, independência, qualidade de vida e inclusão social. “É uma área de conhecimento interdisciplinar que visa melhorar a qualidade de vida de pessoas com algum tipo de deficiência, seja ela auditiva, motora ou visual”, diz Alaan.

“Uma das áreas que podem ser pesquisadas dentro do HU é a tecnologia assistiva”

Geraldo Maranhão que também é professor de engenharia elétrica da UNIFAP, acredita que o Hospital Universitário servirá como fomentador de diversas ações na área das tecnologias, e certamente aumentará as demandas de atividades na área de engenharia elétrica em duas principais frentes: a primeira será da infraestrutura do hospital e a segunda diz respeito às parcerias com os cursos da área da saúde, que estarão usufruindo da estrutura do prédio para dar suporte às suas variadas atividades.


Alguns exemplos dessas parcerias seriam o desenvolvimento de tecnologias de suporte motor, utilização de biosensores na área de exames, inteligência artificial para diagnósticos, entre outros. “A infraestrutura do hospital pode servir de campo para aprendizado na engenharia elétrica no que se refere às especificidades do fornecimento de energia elétrica, seus mecanismos de proteção e de garantia de qualidade da energia, seus impactos na rede de distribuição local e suas instalações elétricas”, afirma o professor.

“O Hospital Universitário servirá como fomentador de diversas ações na área das tecnologias”
Professor Robert Zamora

Para Robert Zamora, Diretor do Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas (DCET), o Hospital Universitário já está tendo fundamental relevância para os cursos de tecnologia da instituição sendo um bom local para realização de estágio. “Mesmo no processo de construção já está sendo importante, pois estamos possuindo comunicação com os encarregados da empresa e já tem aluno do nosso Departamento estagiando no hospital”, assevera Robert.


Segundo o Diretor do DCET, o HU já ofertou inicialmente cinco vagas de estágio supervisionado obrigatório, e já existe previsão para lançamento de edital ofertando assim mais vagas. O hospital, desta forma, propicia abertura não somente para os acadêmicos estagiarem dentro de suas áreas de atuação, mas também fornece a oportunidade para professores dos cursos de ciências da computação, engenharia civil e elétrica, de priorizar algumas áreas de pesquisa e projetos de extensão, nos quais serão inseridos estudantes do campo das tecnologias, e assim esses conhecimentos trazerem benefícios à sociedade amapaense. O Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas da instituição é composto atualmente por quatro cursos: arquitetura e urbanismo, ciências da computação, engenharia civil e engenharia elétrica e todos estes, por sua vez, possuem relação direta e indireta com a construção.

0 visualização