• Tajá

Estatuto prevê criação da atlética de Jornalismo da UNIFAP

Atualizado: 17 de Jul de 2019

“A prática esportiva e a aplicação do conteúdo estudado em sala de aula são as principais pretensões da atlética”, ressalta o presidente Addan Oliveira de Araújo Vieira.


Por Maian da Silva Maciel

Imagem do instagram da atlética de jornalismo. Produzida por: Felipe dos Santos.

Os estudantes de jornalismo da Universidade Federal do Amapá (UNIFAP) estão se mobilizando e encaminhando a criação da Associação Atlética. Projeto que vinha sendo discutido desde as primeiras turmas de jornalismo. O pré-lançamento irá ocorrer na segunda “festa jornina” do curso em junho, para alguns dias depois ser oficialmente lançada. Os interessados na criação da associação estudantil diariamente marcam reuniões entre a diretoria, com o intuito de determinar os objetivos do grupo. Entre eles, a oficialização do símbolo e nome, desenvolvendo a identidade da atlética. Os alunos também estão desenvolvendo o estatuto, acordos comerciais, e outras atividades com seus respectivos diretores. Projeto este que além de promover a integração estudantil e o incentivo à vida esportiva, busca organizar festas, trotes solidários e recepção dos calouros e entre outros.


“A ideia de criação da atlética surgiu quando eu fui para Belém e observei que havia essas competições das associações estudantis. Então, como sempre fui ligado ao esporte, pensei que seria muito bom para o curso”, afirma Addan Oliveira de Araújo Vieira, 22, presidente da atlética e pioneiro da ideia da criação da associação para o curso de jornalismo da Unifap.


A partir da sugestão da fundação do grupo, há reuniões constantemente com os interessados para o início da formação da diretoria que hoje compõe a associação.

Addan Oliveira de Araújo Vieira (presidente da atlética). “como sempre fui ligado ao esporte, eu pensei que seria muito bom trazer para o curso”, ressalta. Foto: Maian da Silva Maciel

Encarregada da função de produzir o documento que guiará toda a ação da entidade, a responsável pela diretoria jurídica, Brunna Inez Mendonça e Silva, logo começou a produção do estatuto. Ressalta ela que "o estatuto serve pra dar as diretrizes de uma atlética, o que há nele tem que ser seguido, é como se fosse uma lei. Ele que regula uma atlética, e a mesma não pode ser fundada sem uma".


O então regulamento produzido pela atlética, e que a partir desse documento possibilitará o encaminhamento da mesma e de suas atuações, é de extrema importância para estipular regras que irão exercer sobre a coletividade montada pelos estudantes. Fazendo assim com que associação atlética de jornalismo tenha todas as suas funções básicas estabelecidas para as diretorias e que todas as informações que a compõe estejam naquele documento.


Com o estatuto praticamente pronto para ser entregue à instituição UNIFAP, os acadêmicos envolvidos agora finalizam o processo de elaboração da identidade estética da associação atlética. Feitos os encontros semanais, possibilitaram com que todos os integrantes, incluindo a diretoria e os interessados em se associar, chegassem em um consenso de qual seria o nome, o mascote, e por fim a logomarca oficializada da Atlética de jornalismo.


Contribuição da atlética para os alunos


Segundo o coordenador do curso de jornalismo, Jefferson Saar, a atlética “contribuirá com o desenvolvimento dos alunos no âmbito de maturidade de gestão no campo empresarial, já que a mesma funciona como uma empresa e todos que estiverem a sua frente necessitam de um amadurecimento profissional muito grande”.


O então professor do curso na UNIFAP, ressalta ainda que a atlética mesmo não agregando especificamente ao lado acadêmico, contribui ainda assim para a congregação dos alunos; criação de festividades que futuramente irão gerar recursos, e desenvolvimento do desporto não só para o curso de jornalismo em si, mas para a universidade como um todo.


De acordo com o coordenador, a coordenação apenas motiva os acadêmicos com essa ideia da criação, dando apoio e propondo que a fundação da mesma é importante. Já que as atividades e planos das atléticas não passam pelos coordenadores do curso e o mesmo nunca teve uma atlética, o órgão tem total desconhecimento sobre a criação dessa associação, completa Jefferson Saar.


Contribuição do esporte no desenvolvimento social e mental


Segundo o educador físico João Carlos Silva Guimarães, “a prática de atividades físicas, tanto para a questão de saúde, como para questões de melhoria na autoestima e vigor, é de fundamental importância, fazendo assim que haja melhorias nos aspectos mentais deste indivíduo, tornando-o mais feliz e evitando possíveis crises existenciais”, diz.


Diante dessas crises ocasionadas pela ausência da prática esportiva, pode haver o desencadeamento da depressão, por exemplo, e desta forma o indivíduo praticante de atividade física tornaria-se mais participativo em meio a esses aspectos sociais, e com facilidade em questão de interação social. Aspectos esses que serão trabalhados em várias modalidades nas competições que os acadêmicos participarão junto de suas atléticas, principalmente as categorias coletivas, ressalta o educado.

Ester Beatriz Pereira dos Santos (acadêmica do curso e atleta da instituição) “vejo isso como uma oportunidade positiva de envolver pessoas nesse meio maravilhoso que é o mundo dos esportes”, diz. Foto: Maian da Silva Maciel

Visão dos praticantes de esporte do curso sobre a fundação da atlética


De acordo com a acadêmica de jornalismo e representante da equipe de handebol da UNIFAP, Ester Beatriz Pereira dos Santos, ela garante sobre a criação da atlética que, com o ingresso da associação estudantil na instituição, haverá uma maior comunicação entre os acadêmicos do curso de Jornalismo. Segundo ela, mesmo com vários anos de convivência, há pouca relação entre as turmas, assim essa seria uma maneira de integrar as pessoas em prol de algo em comum. A atleta completa ainda que vê a iniciativa como uma oportunidade positiva de envolver diferentes pessoas nesse meio maravilhoso que é o mundo dos esportes.


Para Adauto Gomes de Matos,“A associação atlética ajudará em vários aspectos: o primeiro é a saúde que todos precisamos cuidar e, praticar exercícios físicos, é o melhor jeito que conheço de prevenir doenças. Outro aspecto é a interação com outros estudantes contribuindo para harmonizar e fortalecer as relações de afinidade dos acadêmicos”, afirma o aluno do curso e praticante de atletismo na universidade.

Adauto Gomes de Matos (acadêmico e participate do “Tô na pista” que é um projeto da instituição UNIFAP). “A atlética de jornalismo trará inúmeros fatores positivos para os acadêmicos”, ressalta. Foto: arquivo pessoal

0 visualização