• Tajá

Com projeto de atletismo, voluntários decidem ajudar crianças do distrito da Fazendinha

Atualizado: 13 de Jun de 2019

Levando esperança, o projeto atende crianças em vulnerabilidade social.


Por Lana Caroline


O projeto social ‘Atletismo em Foco’ foi pensado por Ilton Ferreira, 38, no ano de 2010, porém, somente em 2016 o projeto foi colocado em prática. A criação do Atletismo em Foco, teve como objetivo tirar as crianças do distrito da Fazendinha que estão em vulnerabilidade social, e despertar o lado atleta de cada criança.

“Nós criamos esse projeto nesse fim, de colocar as crianças no bom caminho do esporte e formar elas cidadãs e quem sabe, futuramente, um atleta profissional.” afirma Ilton.

Hoje, o projeto conta com oito voluntários, entre eles um professor de educação física, quatro monitores, uma psicóloga, uma massoterapeuta e um coordenador que cuidam de mais de cinquenta crianças de 2 a 15 anos que moram na Fazendinha.

Alunos veem a esperança de um futuro melhor através do esporte. Foto Lana Caroline

A psicóloga do projeto, Sheila Barros, 44, afirma que o sentimento de fazer esse trabalho com essas crianças é muito bom, e que a psicologia é importante para a vida dos alunos. “Contribui muito, principalmente em relação ao comportamento, respeito, a valorização dos coleguinhas e da família. Muitos pais nos dizem que o filho era rebelde, e hoje em dia o comportamento dele mudou.”

A psicóloga Sheila Barros é uma das voluntárias do projeto Atletismo em Foco. Foto: Lana Caroline

Luiz Otávio, 8, já está a algum tempo no projeto, diz que o projeto é uma oportunidade e que gosta muito de estar com seus colegas. “É legal ficar com meus coleguinhas, ajudar eles, e brincar.” Afirma o menino. “... E quero agradecer a Deus primeiramente, meu tio e minha mãe por ter me ajudado a entrar nesse esporte e aos colaboradores.”

O atleta Luiz Otávio é grato por estar praticando esse esporte que é o atletismo. Foto: Lana Caroline

Como o projeto é voluntário, a falta de material para as crianças treinarem é muito grande, e o idealizador, Ilton, pede ajuda para quem puder colaborar com o projeto e ajudar as crianças da Fazendinha e adjacências. “A gente pede que empresários, políticos possam nos ajudar com tênis, shorts, porque muitos pegam shorts do irmão, garrafa térmica para dar suco e água para as crianças. Espero muito que nos ajudem com as crianças e o projeto”, finaliza o idealizador.


CONHECENDO UM POUCO MAIS DO ATLETISMO


O atletismo surgiu como esporte na Grécia Antiga em 776 a.C., mesmo ano que a primeira Olimpíada da história foi realizada em Olímpia. Porém, outros registros apontam que há mais ou menos cinco mil anos, o esporte já era praticado por egípcios e chineses. No Brasil, o esporte começou nas últimas décadas do século XIX. Em 1924, o país participou pela primeira vez do torneio Olímpico, quando mandou uma equipe aos jogos de Paris, França.

Ilton Ferreira deu início ao projeto em 2016 para ajudar crianças em vulnerabilidade social. Foto: Lana Caroline

A entidade responsável pela manutenção das regras e pelos eventos a nível internacional é a Associação Internacional de Federações de Atletismo, o IAAF. No Brasil, esse papel é exercido pela Confederação Brasileira de Atletismo, a CBAt.


O atletismo pode ser praticado por homens e por mulheres. Grande parte das provas é realizada em estádios fechados. Nestes estádios, existem as demarcações específicas para cada prova e os equipamentos como, por exemplo, no salto com varas. Algumas competições como, por exemplo, a marcha atlética, é realizada em vias públicas. A principal regra das competições em atletismo é de não queimar a largada. As provas desta modalidade estão divididas em corridas, saltos, arremessos e lançamentos.


A corrida é dividida em: Corrida de pista que é a tradicional, que variam entre 100 a 400m; Corrida com barreira apresenta obstáculos durante o percurso, e pode ser de 100 até 3000m; Corridas de Meio Fundo e Fundo são as mais longas, de 800 a 1500m e 5000 a 10000m, respectivamente.


Acompanhe o desenvolvimento das crianças do projeto no vídeo.

Já o revezamento, é disputado por equipe, e cada um tem que correr um quarto do percurso com um bastão e entregar ao parceiro. A Maratona é praticada em vias públicas e tem um percurso que em média é de 42 quilômetros. E por último, tem a Marcha Atlética, que também é praticada em vias públicas, na qual o atleta tem que sempre manter um dos pés no chão até o término da passada.


Já os saltos são divididos em: Salto com vara, no qual existe o auxílio de uma vara de 4 metros de comprimento, e que o atleta tem que passar sem deixar cair a barra; Salto a distância, no qual o atleta deve correr em uma pista por aproximadamente 40 metros e fazer um salto, que deve ser feito antes da marca estabelecida; Salto em altura, os atletas correm e saltam de costas sobre uma barra horizontal; Salto triplo, que o atleta dá dois saltos antes do salto final em uma caixa de areia que determina o quão longe foi o salto.


E por último, existem quatro modalidades na categoria de arremessos e lançamentos: arremesso de peso, lançamento de dardo, de martelo e de disco. Em todas as modalidades, vence o atleta que conseguir arremessar o objeto mais longe possível.

Renato Conceição afirma que o esporte é muito bom para a saúde. Foto: Lana Caroline

E PARA A SAÚDE, O QUE O ATLETISMO TRAZ DE BENEFÍCIOS?


O atletismo é um esporte que inclui um conjunto de modalidades: a corrida, os saltos, os lançamentos e arremessos. Assim como outros esportes, também inclui benefícios à saúde, tanto fisiológico como psicológicos. A prática do atletismo possibilita a compreensão da manutenção da saúde, do corpo e da mente.


Segundo o professor de educação física, Renato Conceição, 29, a prática dessa modalidade evita muitas doenças. "Essa atividade permite aos seus participantes aprimoramento no condicionamento físico, evita doenças respiratórias, sem falar na redução do sedentarismo. É uma atividade que pode ser feito ao ar livre, a pessoa escolha os melhores horários para se exercitar".

Milton compete desde os 13 anos de idade pela modalidade. Foto: Lana Caroline

O atleta Milton Cardoso, 20, que já competiu pela modalidade nos Jogos Escolares da Juventude e no Campeonato de Desportos do Exército, afirma que o atletismo o ajudou com o problema na coluna. “O atletismo trouxe de benefício para a minha saúde, o desenvolvimento da minha coordenação motora, e a melhora da minha postura. Antes eu tinha dores na minha coluna, e com o atletismo aliviou totalmente essas dores que eu sentia".


Os benefícios também para quem pratica atletismo não é só físico, mas mental. Segundo a psicóloga Simone Sanchez, para uma matéria no site Ativo, o atleta não pode priorizar o físico e esquecer o mental. "Se o atleta não trabalhar o mental, ele poderá não conseguir colocar em prática o que o corpo dele está preparado para fazer", esclarece a psicóloga.


0 visualização